Agenda Institucional destaca a relevância do Sesc e Senac para o Brasil

Os braços sociais do Sistema Comércio, o Sesc e o Senac, também fizeram parte dos debates em torno da construção colaborativa da Agenda Institucional do Sistema Comércio.

O valor social destas instituições para a educação profissional, saúde, cultura, turismo, esporte e lazer da população brasileira foi abordado em um talk show promovido nesta terça-feira (17), pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Foi um evento histórico, com mais de mil participantes on-line.

Sob a mediação dos assessores de relações institucionais dos departamentos nacionais do Sesc e do Senac, Ana Márcia Quitério Varella e Antonio Henrique Borges de Paula, este encontro teve a participação do vice-presidente da Fecomércio-SP, Ivo Dall’Acqua, do presidente da Fecomércio-AM, Aderson Frota, do presidente do Sistema Fecomércio-RN, Marcelo Queiroz, e do presidente da Fecomércio-DF, José Aparecido Freire. O presidente da Fecomércio-RJ, Antonio Florencio Queiroz Júnior, participou do talk show virtualmente.

A chefe da Divisão de Relações Institucionais (DRI) da CNC, Nara de Deus Vieira, deu início ao debate, destacando que o Sistema CNC-Sesc-Senac é responsável por um dos maiores conjuntos de ações que visam colaborar para o desenvolvimento econômico e social do País. “Somente conhecendo melhor a ação social e educacional do Sesc e do Senac podemos reafirmar o papel dessas entidades para o futuro do Brasil”, disse.

Governança

Estabelecidos por meio do artigo 240 da Constituição Federal e regulamentados pelos Decretos Lei nº 9.853/46 e 8.621/46, o Sesc e o Senac são instituições que completam 76 anos em 2022, mas seguem à frente de seu tempo, sendo modelos de governança para o Brasil, prontos a atender a população e prestar apoio ao poder público, na missão de levar mais qualidade de vida às famílias.

No entanto, o Sesc e o Senac são alvos de incompreensões, pelo desconhecimento da atuação destas entidades. “Nós temos um papel de repercussão na sociedade, na economia e no bem-estar da população brasileira”, frisou o presidente da Fecomércio-AM, Aderson Frota.

Ao explicar detalhadamente as fontes de recursos que mantêm os braços sociais do Sistema Comércio, Frota ressaltou que a gestão financeira também é fiscalizada por instituições de controle externo, como o Tribunal de Contas da União (TCU). “Nós fazemos questão de haver transparência e retidão, para que consigamos dar os melhores resultados ao mercado de trabalho, ao trabalhador, aos sindicatos e ao poder público”, disse ele.

Neste sentido, Ivo Dall’Acqua disse que, apesar das visões distorcidas de alguns agentes políticos, a opinião pública enxerga o Sesc e o Senac não apenas pela qualidade dos serviços e pela excelência dos colaboradores, mas principalmente, pelas ações sociais e pela solidariedade. “O Sesc e o Senac são entidades privadas, mas elas dão um caráter de gestão pública e social, porque o patrimônio que construímos pertence às empresas associadas e ao trabalhador brasileiro que gera riqueza, desenvolvimento e distribuição de renda”, analisou.

Marca registrada

O vice-presidente da Fecomércio-SP frisou ainda o caráter humano, que é marca registrada do trabalho do Sesc e do Senac. “Tenho visto pessoas se descobrindo profissionalmente a partir das ações do Senac, por exemplo”, afirmou Dall’Acqua. Já o presidente da Fecomércio-RJ, Antonio Florencio, destacou o caráter cidadão destas entidades, que desenvolvem projetos e atividades que atendem a todas as idades e classes sociais, formando cidadãos, trabalhadores e consumidores.

O presidente da Fecomércio-RN, Marcelo Queiroz, destacou o papel do Sesc e do Senac na educação, por meio de suas escolas de educação infantil, ensino fundamental e médio, educação de jovens e adultos (EJA) e, no Senac, por meio dos cursos de formação profissional presenciais e on-line. Como exemplo, ele citou o hotel-escola do Senac, referência para o Brasil, que forma profissionais de alto nível no setor de serviços. “Os nossos alunos são rapidamente absorvidos pelo mercado local, pelo mercado nacional e até de outros países”, afirmou.

Já o presidente da Fecomércio-DF, José Aparecido Freire, frisou a faculdade do Senac em Brasília, que oferece cursos de graduação e de pós-graduação, e o sistema EAD (educação à distância). “O Senac cumpre o seu papel de formar e qualificar pessoas para o mercado, em meio aos tempos de transformação social e digital. Hoje, há muitas vagas de emprego, mas pouca gente qualificada, sobretudo na área de tecnologia”, afirmou.

Bem-estar social

No campo do bem-estar social, o presidente da Fecomércio-RJ, Antonio Florencio, salientou os projetos do Sesc voltados aos idosos, os quais incluem esporte e lazer, cultura e turismo. “Nós somos vanguarda, pois atendemos a este público, com excelência, há décadas. E seguimos inovando nesta área. Cada vez mais, propiciamos aos idosos que eles tenham não só longevidade, mas longevidade ativa e saudável”, destacou.

Os debatedores abordaram também as mudanças na Lei do Jovem Aprendiz, por meio da Medida Provisória nº 1.116/2021, e seus impactos ao Senac, as ações na área social e ambiental, e o trabalho desempenhado pelo programa Mesa Brasil, o maior banco de alimentos do mundo, que vem contribuindo com o combate à forme no País. “A população se apropriou do Mesa Brasil, que é bem mais que um paradigma, é uma inspiração”, disse Ivo Dall’Acqua.

Ao final do evento, a CNC sorteou kits entre os participantes virtuais. Os ganhadores foram Everson Costa, Jovanna Abreu, Rodrigo Santos, Letícia Nascimento e Elaine Cristina Santos. Parabéns!

*Clique AQUI e confira as imagens do talk show

Fonte: Portal CNC