Quantidade de novas empresas abertas no Brasil cresce 8,8% em 2013, revela Serasa Experian

Em 2013 foram criadas 1.840.187 de novas empresas no Brasil, de acordo com o Indicador Serasa Experian de Nascimento de empresas. O número representa um aumento de 8,8% comparado com o montante de novos empreendimentos registrado durante todo o ano de 2012 (1.690.760).

Já no mês de dezembro, porém, surgiram 96.221 novas empresas no país – uma queda de 33,2% em relação a novembro. Se comparado ao mesmo período do ano anterior, entretanto, houve acréscimo de 6,0%. De acordo com os economistas da Serasa Experian, a queda do número de empresas criadas em dezembro em relação a novembro é decorrência da sazonalidade adversa do período (festas de final de ano), o que acaba inibindo a decisão de abertura de novos negócios.

Tanto que a queda foi registrada em todos os segmentos: entre os Microempreendedores Individuais (MEIs), responsáveis por mais de 2/3 dos novos empreendimentos (68,2% do total), foram 62.731 novas empresas, contra 110.684 em novembro (queda de 37,7%). As Empresas Individuais registraram queda de 21,2% de um mês para o outro (12.251 em dezembro contra 15.549 em novembro). As Sociedades Limitadas registraram 14.494 empresas em dezembro, contra 18.988 em novembro (queda de 23,7%).

Nascimento de Empresas por Natureza Jurídica
Segundo o estudo, das 1.840.187 novas empresas criadas no ano de 2013, 1.254.117 (68,2% do total) foram de Microempreendedores Individuais (MEIs), 219.560 (11,9 % do total) foram de Empresas Individuais, 259.630 (14,1% do total) foram de Sociedades Limitadas e 106.880 (5,8% do total) foram de empresas de outras naturezas jurídicas. As MEIs vêm registrando aumento crescente desde o início da série histórica do Indicador – em apenas quatro anos, passaram de pouco menos da metade do total de novos empreendimentos (49,0%, em 2010) para mais de dois terços deste total (68,2% em 2013).

Nascimento de Empresas por Região
O Sudeste registrou o maior número de empresas abertas de janeiro a dezembro de 2013, sendo a região responsável por 50,6% do total, com 931.736 novas empresas. Em seguida, com 18,4% do total e 338.637 empresas, vem a Região Nordeste. A Região Sul ocupa o terceiro lugar, com 298.331 empresas criadas em 2013 (16,2% do total), seguida pelo Centro-Oeste, com 172.181 empresas (9,4% do total). A Região Norte manteve o quinto lugar durante todo o ano, fechando 2013 com a criação de 99.303 empresas (5,4% do total).

Em comparação com o mesmo período do ano passado, a Região Nordeste registrou o maior aumento no nascimento de empresas durante os doze meses de 2013 (alta de 9,8%), seguida de Sudeste (com aumento de 9,2%), Centro-Oeste (com 8,5%), Sul (com 7,8%) e Norte (5,2%).

Nascimento de Empresas por Setor
O setor de serviços continua atraindo a maior quantidade de novas empresas: em 2013, 1.053.420 companhias que abriram suas portas, o equivalente a 57,2% do total. Em seguida, no acumulado dos doze meses surgiram 605.494 empresas comerciais (32,9% do total) e, no setor industrial, foram abertas 149.377 empresas (8,1% do total) neste mesmo período.

Ao longo destes últimos quatro anos, tem crescido a participação das empresas de serviços no total de empresas que nascem no país. Esta participação aumentou 4,1 pontos percentuais entre 2010 (53,1% do total) e 2013 (57,2% do total).

Por outro lado, a participação do setor comercial de empresas que surgem no país tem recuado nestes últimos anos (de 35,6% em 2012 para 32,9% em 2013), ao passo que a participação das novas empresas industriais vem se mantendo estável, variando pouco – de 8,5% em 2010 para 8,1% em 2013.

Análise dos MEIs por Ramo de Atividade
Desde a sua criação pela Lei Complementar 128/2008, a participação dos Microempreendedores Individuais (MEIs) tem crescido dentro do universo de novas empresas que são constituídas no país, respondendo hoje por cerca de 2/3 do total. Assim, é relevante identificarmos quais ramos de atuação concentram as maiores taxas de surgimento de Microempreendedores Individuais (MEIs).

O gráfico a seguir exibe o ranking dos 20 ramos econômicos que concentraram o nascimento de novos Microempreendedores Individuais em 2013.

Os dados mostram que dos 1.254.117 Microempreendedores Individuais (MEIs) surgidos ao longo de 2013, 150.870 foram do ramo de comércio de confecções em geral (12,2% do total dos MEIs), seguidos por 116.226 novos MEIs do ramo de serviços de higiene e embelezamento pessoal (9,4% do total). Em seguida, houve a criação de 109.509 novos MEIs no ramo de reparação e manutenção de prédios e instalações elétricas (8,8% do total) e de 109.335 novos MEIs de serviços de alimentação (8,8% do total). Vale notar que estes quatro ramos concentraram quase 40% de todos os MEIs criados durante os doze meses de 2013.

Análise das empresas por Ramo de Atividade
Além das MEIs, existem ainda outras modalidades de empresas – sem contar o interesse por determinadas áreas de negócio, mais visadas pelos empresários na hora de definir qual será o ramo de atuação dos novos empreendimentos. Desta maneira, torna-se relevante também a identificação dos ramos de atuação que concentram as maiores taxas de surgimento de novas empresas.

O gráfico a seguir exibe o ranking dos 20 ramos econômicos que concentraram o nascimento de novas empresas de janeiro a dezembro de 2013.

Os dados mostram que, entre as 1.840.187 novas empresas nascidas no ano passado, 181.454 foram do ramo de comércio de confecções em geral (9,6% do total), seguidos por 146.193 novos empreendimentos do ramo de serviços de alimentação (7,8% do total, segundo maior interesse – contra a quarta ocupação em se tratando de MEIs). O setor de reparação e manutenção de prédios em instalações elétricas vem em seguida, com 126.650 novas empresas (6,7%), na companhia de 124.084 novos empreendimentos do ramo de serviços de higiene e embelezamento pessoal (6,6% do total) e 76.835 novos empreendimentos no ramo do comércio varejista de gêneros alimentícios (4,1%). Diferentemente das MEIs, que com apenas quatro ramos concentram aproximadamente 40% de todos os novos empreendimentos, o ranking de todas as empresas dá prioridade a cinco ramos, que concentram cerca de 35% dos novos estabelecimentos.

Metodologia do estudo sobre Nascimento de Empresas
Para o levantamento do Nascimento de Empresas foi considerada a quantidade mensal de novas empresas registradas nas juntas comerciais de todas as Unidades Federativas do Brasil bem como a apuração mensal dos CNPJs consultados pela primeira vez à base de dados da Serasa Experian.

*Fonte: Serasa Experian